ACONTECIMENTOS

DICAS

Quando a dor torácica é um sinal de alerta

A ocorrência de um evento coronário sofrido por um famoso jogador de futebol – Iker Casillas, reconhecido guarda-redes do Futebol Clube do Porto – preencheu recentemente as páginas dos jornais e suscitou grande interesse quer pelos admiradores do jogador quer pelo público em geral, ao mesmo tempo que sensibilizou a população para as questões relacionadas com as doenças do coração.

O jogador, de 37 anos, teve um enfarte agudo do miocárdio, vulgarmente designado por “ataque cardíaco”, uma situação clínica que exige assistência médica e tratamento imediato, uma vez que pode ameaçar a vida ou deixar sequelas graves. Habitualmente, tal como neste caso, o ataque cardíaco é precedido por dor torácica – angina de peito (dor provocada por perfusão insuficiente do músculo cardíaco resultante da obstrução de uma artéria coronária).

E o que é a dor torácica? Que tipo de dor é esta? Quando é que a dor torácica pode ser um sinal de alerta?

A dor torácica é, na verdade, um sintoma muito comum. Trata-se de uma dor localizada no peito, mais frequentemente na zona central ou na região esquerda (anterior ao coração), mas também pode surgir logo abaixo do esterno (região epigástrica), de intensidade variável e que se manifesta como um aperto, um desconforto ou como uma sensação de ardência. Por vezes, esta dor pode irradiar para os dois braços, para a região dorsal ou mesmo para a base do pescoço, incluindo a mandíbula. Muitas vezes acompanha-se de outros sintomas, tais como náuseas, vómitos, suores, falta de ar, alterações do batimento cardíaco, tonturas ou mesmo perda de consciência (síncope).

Causas

É importante saber que existem muitas outras doenças que causam dor ou desconforto torácico e que nem todas estão relacionadas com o coração ou colocam em risco a vida do doente. Assim, a dor torácica, também, pode ser causada por perturbações do sistema digestivo (esófago ou estômago), doenças pulmonares ou problemas musculares e articulares.

Neste artigo vamos focar-nos apenas nas causas de dor torácica relacionadas com as doenças do coração, ou seja, com as situações que podem apresentar risco de vida e para as quais é necessário procurar apoio médico urgente.

Quais são, então, os sinais relacionados com a dor torácica que podem fazer suspeitar de um ataque cardíaco e que por isso constituem um sinal de alerta?

  • Dor com sensação de esmagamento ou pressão;
  • Falta de ar;
  • Suores abundantes;
  • Náuseas ou vómitos;
  • Irradiação da dor para as costas, pescoço, maxilar inferior, abdómen superior ou para os ombros e braços;
  • Sensação de desmaio iminente ou perda de consciência (síncope);
  • Sensação de batimento cardíaco lento, rápido ou irregular.

As pessoas que experimentem uma dor torácica associada a qualquer um dos sintomas referidos acima devem consultar um médico de imediato, especialmente se estiverem nas seguintes situações:

  • Recorrência da dor torácica nos dias anteriores;
  • Aparecimento de um sinal de alerta (síncope, por exemplo);
  • Recidiva da dor torácica em indivíduos com história de doença coronária (sintomas semelhantes aos de um “ataque cardíaco” anterior).

Neste caso, deve procurar-se ajuda médica imediata, através do número de emergência (112) para ser transportado a um Serviço de Urgência, onde poderá receber assistência e tratamento com a maior brevidade possível. Lembre-se que neste tipo de doenças, “tempo é músculo” (quanto mais tempo estiver obstruída a artéria maior será a extensão do enfarte e “tempo é vida” (a ocorrência de uma arritmia fatal é a causa principal de morte nas primeiras horas)!

Prevenção

É importante referir que uma dor torácica que dura poucos segundos ou que pode ser localizada com um dedo, raramente é causada por uma doença cardíaca. As pessoas que tenham episódios muito breves de dor torácica devem consultar um médico, mas sem carácter de urgência.

A prevenção é sempre a melhor atitude e isso também é válido no caso das doenças do coração. Existem alguns hábitos de vida saudáveis que podem e devem ser adotados por cada um e que contribuem para diminuir, em larga escala, o risco de uma doença cardiovascular.

Existem quatro simples regras que toda a população deve seguir para ter uma melhor qualidade de vida e prevenir as doenças:

  • praticar exercício físico regular;
  • evitar o excesso de peso, seguindo uma alimentação cuidada, baseada na boa selecção dos alimentos;
  • hidratação abundante;
  • respeitar o repouso e dormir bem (sono reparador).

Existem algumas situações que devem ser evitadas, nomeadamente, o tabagismo, o stress emocional e o sedentarismo.

Deve procurar-se, igualmente, obter um bom controlo dos vários fatores de risco que possam existir, tais como a HTA, o colesterol elevado, a diabetes mellitus, etc.

O Hospital de Santa Maria – Porto tem uma equipa de Cardiologia disponível para o/a ajudar nas suas dúvidas, no diagnóstico do seu problema e na orientação do tratamento mais adequado. O Hospital dispõe, também, de um Serviço Médico de Atendimento Permanente, para as situações mais urgentes, que se encontra acessível, diariamente, entre as 8h00 e as 24h00.

 

 

Dr. Hipólito Reis

Cardiologista