ACONTECIMENTOS

NOTÍCIAS

Hospital de Santa Maria – Porto oferece Rastreio de Oftalmologia Infantil

Integrado na sua iniciativa “12 Meses, 12 Rastreios”, o Hospital de Santa Maria – Porto lança este mês de abril um Rastreio de Oftalmologia Infantil. Dedicado a crianças entre os 5 e os 10 anos, este rastreio tem como objetivo detetar patologia ocular nas crianças neste grupo etário.

“Numa idade em que as crianças entram na escola primária, e durante esses primeiros anos, é importante estar atento a alguns sintomas que podem indicar problemas visuais. Para ajudar os pais a cuidar da saúde visual dos seus filhos, promovemos este rastreio, que está integrado na nossa iniciativa anual “12 Meses, 12 Rastreios”, refere o Dr. Rui Pinto, diretor clínico do Hospital de Santa Maria – Porto.

O objetivo desta iniciativa é identificar os problemas visuais mais comuns nesta idade e que podem ser potencialmente tratáveis, como a miopia, o estrabismo ou mesmo a ambliopia. O rastreio irá decorrer no sábado, 30 de abril, entre as 09h00 e as 16h00, sendo necessária inscrição prévia através do telefone 225 082 000. As crianças deverão vir acompanhadas dos pais ou encarregados de educação.

Existe um conjunto de sinais nas crianças que podem ser um alerta para algum tipo de patologia ocular e aos quais os pais devem estar muito atentos:

  • Os olhos estão desalinhados;
  • Tem dificuldade em mover-se no escuro;
  • Frequentemente bate contra obstáculos;
  • Franze os olhos e inclina a cabeça;
  • Fecha um dos olhos com frequência;
  • Aproxima os objetos dos olhos;
  • Baixa o rendimento escolar;
  • Não tem interesse em participar em atividades de grupo e isola-se;
  • Tem sensibilidade à luz;
  • Tem lacrimejo;
  • Esfrega os olhos;
  • Aproxima-se muito dos écrans.

As patologias mais frequentes nesta idade são as seguintes:

Ambliopia ou olho preguiçoso – quando existe diferença de graduação ou visão entre os dois olhos ou quando existe diferença de posicionamento dos dois olhos. Os sintomas são normalmente dor de cabeça ou de pescoço e, quando já sabem ler, trocam as palavras e as letras.

Estrabismo – nesta patologia, os olhos estão desalinhados, não se movem da mesma forma em todas as direções do olhar, as crianças inclinam a cabeça, piscam e coçam os olhos ou fecham um olho para focar. O olho mais desviado habitualmente vê pior.

Miopia e astigmatismo – com esta patologia, as crianças vêm mal ao longe. Os sintomas são cerrar os olhos para ver melhor ao longe, confundem o que vêm ao longe, preferem atividades que requerem visão de perto, aproximam os objetos para ver melhor ou aproximam os olhos do monitor do computador para ver o que está no ecrã.

Hipermetropia – o resultado é ver mal ao longe. Geralmente nestes casos há um historial familiar de hipermetropia e os sintomas referidos são dor de cabeça e cansaço visual com atividades que requerem visão de perto, por vezes olhos vermelhos, piscar de olhos para perto e afastar a cabeça do objeto.

Discromatopsia – nesta patologia, existe uma alteração da visão das cores.

Conjuntivite – manifesta-se por olho vermelho, lacrimejo, secreção e comichão.

O rastreio inclui um conjunto de avaliações, como:

  • a acuidade visual de longe e de perto;
  • o valor da refração;
  • a visão estereoscópica;
  • a visão cromática;
  • o equilíbrio oculomotor;
  • o fundo ocular.

Dê atenção à saúde visual dos seus filhos e siga os conselhos da nossa equipa de Oftalmologia:

  1. Restringir o uso excessivo de ecrãs;
  2. Cuidados de proteção com o sol;
  3. Adotar práticas saudáveis;
  4. Estar atento à visão da criança;
  5. Caso o seu filho use óculos ou esteja a fazer tratamento ocular certifique-se que o cumpre.